Depois, não

Depois, não

“Enquanto protelamos, a vida passa por nós a correr”. (Sêneca)

Depois, não

Não deixe para depois.
Não deixe para fazer depois a viagem àquele lugar que sempre povoou a sua imaginação, a menos que não disponha dos recursos que a empreitada demanda.
Não deixe para depois dar o passo necessário em sua profissão, a menos que a sua meditada razão lhe diga que não tenha chegado ainda a hora da mudança.
Não deixe para depois, num concurso, a aprovação, como se fosse meta sem nenhuma chance.
Não deixe para depois deixar uma tradição, quando estiver certo que ela não produz uma viva esperança.
Não deixe para depois reatar uma amizade perdida pela incompreensão, se um dia era no seu ritmo que você dava as mãos para brincar no compasso leve de uma ciranda.
Não deixe para depois para fazer a confissão que fará de você uma pessoa livre do pecado cujas garras sua alma ainda alcança.
Não deixe para depois o perdido de perdão, só porque ele lhe exige a coragem da iniciativa de abandonar uma velha e mortífera lembrança.
Não deixe para depois afastar-se da destruição que lhe traz o vício que seu corpo comanda.
Não deixe para para depois buscar com o outro a orientação que lhe trará de novo a plenitude de uma vida com confiança.
Abra hoje, não depois, o seu coração. Não o endureça (Hebreus 3.8). Não se empobreça. Tome hoje a decisão.

Reproduzido do site PRAZER DA PALAVRA, de Israel Belo de Azevedo, que pode ser ser acessado em www.prazerdapalavra.com.br.

Habilidades

Postado em

18/09/2017