Castelos de areia

Castelos de areia

“É barato construir castelos no ar e bem cara a sua destruição”. (François Mauriac)

Castelos de areia

Os evangelhos contam uma história que tem muito a ver com as coisas que consideramos como sendo valiosas e não são.
Quando Jesus estava saindo do imponente templo de Jerusalém, um de seus discípulos lhe disse:
– Olha, Mestre! Que pedras enormes! Que construções magníficas!
– Você está vendo todas estas grandes construções? – perguntou Jesus – Aqui não ficará pedra sobre pedra; serão todas derrubadas” (Marcos 13.1-2)
Não se passaram 40 anos, o prédio foi posto abaixo.
Há muitos símbolos nas palavras de Jesus em torno da destruição do antigo templo.
Um deles é que castelos, sejam pessoais, profissionais ou empresariais, podem ruir. Há uma lógica na queda.
Uma delas tem a ver com a mentira.
Tudo aquilo que é levantado sobre a mentira cai um dia.
A mentira pode estar na motivação para se obter simpatia, que é quando se diz que o alvo é um, mas, na verdade, é outro.
A mentira pode estar na metodologia empregada para a construção do sucesso: que é quando se empregam recursos escusos, que não podem ser publicamente assumidos.
Cabe-nos refletir se é sobre a verdade que estamos edificando nossas vidas, nossas famílias, nossas carreiras, nossos negócios, nossos relacionamentos, para que não sejam de areia os nossos castelos.

Reproduzido do site PRAZER DA PALAVRA, de Israel Belo de Azevedo, que pode ser ser acessado em www.prazerdapalavra.com.br.