“E o anjo do Senhor tornou segunda vez, e o tocou, e disse: Levanta-te e come, porque te será muito longo o caminho. Levantou-se, pois, e comeu e bebeu; e com a força daquela comida caminhou quarenta dias e quarenta noites até Horebe, o monte de Deus.”
1 Reis 19: 7 e 8

Combustível

 Imagem coluna 9 Elias teria um longo caminho pela frente. Deus, sabendo da necessidade fisiológica que ele teria, mandou um anjo por duas vezes faze-lo comer. Como foi dito na coluna anterior, nosso organismo utiliza glicose, triglicerídeo e proteína para gerar energia (e também para outras funções). E tudo isso é obtido na alimentação.

Nosso metabolismo é dividido em anabolismo e catabolismo. Catabolismo é a decomposição de moléculas. Durante a produção de energia, ao conjunto de reações químicas da quebra da glicose por exemplo, dá-se o nome de catabolismo. Já o anabolismo é a construção de novas moléculas a partir da junção de moléculas menores. A síntese de fibras musculares através de moléculas de proteína por exemplo, se chama anabolismo.

Para manter nosso metabolismo funcionando, precisamos de alimentos, que são classificados em três grupos conforme suas funções em nosso organismo: energéticos, reguladores e construtores. Os alimentos energéticos servem, como o nome diz, para gerar energia para nosso organismo. Alguns desses alimentos são cereais, massas, hortaliças, mel e frutas.

Os alimentos reguladores como as vitaminas, minerais e fibras alimentares, têm a função de fornecer elementos que auxiliam as várias funções normais do metabolismo. Entre esses alimentos podemos citar frutas, hortaliças e cereais integrais. Os alimentos construtores têm sua função ligada à formação, crescimento e reparo de tecidos. Os alimentos proteicos contêm elementos essenciais à formação de novos tecidos, reparo e renovação de tecidos desgastados. Alguns exemplos de construtores são carnes, leites e derivados e ovos.

Tanto para uma rotina de exercícios como para uma vida saudável devemos ter uma alimentação balanceada, contendo os três grupos de alimentos, além de água. Mas lembre-se de não exagerar em nenhum alimento, pois o exagero sempre traz prejuízos ao nosso organismo, como por exemplo acúmulo excessivo de triglicerídeos e ácidos graxos.

Hugo Barreto Facundo, professor de Educação Física.

Compartilhe: