Pedro e João

Pedro e João

“Um navio está seguro no porto, mas não é isso que os navios devem fazer”. (William G.T. Shedd)

Pedro e João

Quando Pedro e João participam de uma reunião, as pessoas notam as suas diferenças, embora sejam amigos.
Pedro, quando fala, fica em pé, aponta o dedo, levanta as pessoas contra ele ou a seu favor.
João, que pouco diz, mantém o tom da voz, ponderando suas opiniões, como se não tivesse pressa.
Quando Pedro e João vão assistir a um jogo de futebol, não se assentam juntos. Pedro vai logo para a frente, para ficar mais perto dos jogadores, aplaudi-los quando acertam e reclamar quando erram. João prefere os lugares mais discretos. Sorri quando seu time vai bem e lamenta, tranquilamente, quando a derrota acontece.
Pedro, às vezes, é inconveniente, mas é também generoso, simpático, brincalhão.
João geralmente é moderado, mas se pode contar com ele na necessidade.
Quanto a nós: quem somos?
Quem queremos ser?
Somos Pedro ou João e não sabemos porquê.
Pedro deve ser João? João deve ser Pedro?
As diferenças nos fazem pensar.
Se somos Pedro, achamos que somos João? Pode ser. Por isto, importa que saibamos quem somos.
Que benefícios ou prejuízos nos traz o que somos? O que já perdemos por sermos Pedro, sem tempo de repararmos o mal do temperamento agitado? O que deixamos de ganhar por sermos João, com excessiva ponderação?
Todos precisamos nos propor a mudanças, não para sermos o que o outro é ou parece ser, mas para sermos o que devemos e podemos ser.
Não temos que nos conformar com os danos que o nosso jeito de ser provoca.
Podemos mudar, nem que seja pouco ou mesmo devagar. Podemos chegar onde queremos, mesmo que seja longe.

Reproduzido do site PRAZER DA PALAVRA, de Israel Belo de Azevedo, que pode ser ser acessado em www.prazerdapalavra.com.br.

Habilidades

Postado em

06/03/2017