Os duros e os suaves

Os duros e os suaves

“Suavidade vem do coração da humildade e irradia o perfume de Cristo”. (Mathew Henry)

Em nossos relacionamentos, podemos ser duros ou suaves.
Os duros são corretos e confiáveis.
Os duros organizam suas ações e reações em torno do mérito: recompensam os que acham que merecem e se afastam dos que julgam não merecer sua atenção.
Os duros se frustram pouco, porque não têm muitas expectativas sobre as pessoas; conhecem bem a natureza humana.
Os duros riscam nomes em sua agenda de poucas páginas.
Os duros não perdoam, por entenderem que, antes de decidir, as pessoas precisam refletir, para não terem que se desculpar.
Os duros estão quase sempre certos.
Os duros geralmente acabam solitários.
Os duros quase não brincam e raramente gargalham. Os duros não são felizes.
Os suaves são corretos, mas, às vezes, falham.
Os suaves fazem da graça de Deus o seu compasso, aceitando as pessoas por antecipação.
Os suaves se frustram com as pessoas, mas não desistem delas.
Os suaves têm uma agenda grande com muitas páginas e muitos nomes, alguns dos quais vindos de longe.
Os suaves perdem perdão, inclusive unilateralmente.
Os suaves erram muito, mas se arrependem e recomeçam.
Os suaves pensam mais com o coração e menos com a razão.
Os suaves têm bons amigos.
Os suaves se divertem. Os suaves são felizes.
Jesus se apresentou como sendo suave. Devemos aprender com Ele (Mateus 11.28).

Reproduzido do site PRAZER DA PALAVRA, de Israel Belo de Azevedo, que pode ser ser acessado em www.prazerdapalavra.com.br.

Habilidades

Postado em

12/12/2016