O Verbo

O Verbo

“A alegria de Deus atravessou a pobreza da manjedoura e a angústia da cruz; ela é, portanto, invencível e irrefutável”. (Dietrich Bonhoeffer)

Alguns verbos nos acompanham quando ouvimos músicas de Natal.
Quando chegam aos nossos ouvidos e entram, elas nos edificam, embalam, emocionam, empolgam, encorajam, enlevam, enternecem, entusiasmam, evangelizam, exortam, extasiam.
Se entrarmos na história que as canções narram, elas fazem mais: elas nos escrutinam nas durezas dos nossos corações; elas nos esvaziam do nosso natural e enrustido egoísmo; elas evidenciam as desigualdades que passamos a abominar; elas nos encaminham em direção ao próximo, tão pecador como nós mesmos — eis como nos enxergamos –, o amigo que nos feriu, o estranho que nos encarou, a quem precisamos perdoar; elas nos entrosam uns com os outros como se os momentos que vivemos, de mãos entrelaçadas, fossem reais e não utopias, vivas possibilidades, dificuldades, não definitivas impossibilidades.
As músicas de Natal têm brilho próprio porque são pétalas que exalam o amor que Deus nos dedica e por ele se sacrifica, são palavras que exaltam o Salvador do Mundo, são gestos que entronizam os bebês pobres nos tronos da verdadeira riqueza e eternizam os jovens que se colocam à disposição do Deus que quer fazer história com eles.
As músicas de Natal evocam milagres que nos fazem voltar no tempo, no tempo de Belém antiga, habitada por pastores e visitada por anjos cantores, e no tempo de nossa infância, enfeitada por presépios, sinos, presentes e esperança.
As músicas de Natal emolduram a paz, para a qual Deus nos estimula a ser embaixadores.
As músicas do Natal contam a historia do nascimento do Verbo, cheio de glória e graça.

Reproduzido do site PRAZER DA PALAVRA, de Israel Belo de Azevedo, que pode ser ser acessado em www.prazerdapalavra.com.br.

Habilidades

Postado em

19/12/2016