A iniciativa

A iniciativa

“Você quer ser feliz por um instante? Vingue-se. Você quer ser feliz para sempre? Perdoe!” (Tertuliano)

O perdão, sim, o perdão solicitado unilateralmente, é o único remédio contra o ódio.
No bom caminho da paz, precisamos primeiramente avaliar os males que o ódio traz. Não há nenhum beneficio nele. A vitória verdadeira não é a que o ódio produz, mas a que é travada contra ele. Odiar é perder. Que adianta a justiça que desejamos, se a conquistamos humilhando ou eliminando o outro, às vezes de nosso próprio sangue?
Devemos admitir, por mais doloroso que seja, que não somos tão bons, tão justos, tão verdadeiros, tão dedicados, tão amorosos quanto imaginamos. E pode ser que o outro não seja tão ruim, tão injusto, tão mentiroso, tão egoísta, tão grosseiro quanto supomos. Talvez sejamos invejosos como Caim, que matou Abel, tão intempestivos como Noé, que amaldiçoou Cão, tão rancorosos como Esaú que ameaçou Jacó, tão ambiciosos como Absalão, que atentou contra Davi.
Precisamos nos incomodar com o fato de não andarmos mais com quem caminhávamos, não falarmos mais com quem nos alegrávamos, evitando os ambientes que antes nos eram comuns, desviando os rostos nos inesperados encontros.
Devemos tomar a iniciativa de pedir perdão. Enquanto ficarmos aguardando que o outro reconheça o que não reconhecemos em nós mesmos, iremos afundando o chão da trincheira que nos separa. Pode ser que, enquanto esperamos que o outro venha em nossa direção, ele nutra a mesma expectativa, e cada ofendido fica no seu lugar, sem chance de reconciliação.
Até quando aguardaremos que o outro reconheça o quanto nos magoou? Até quando o outro esperará que percebamos o quanto lhe machucamos? Jesus não esperou e perdoou até os que não sabiam o mal que lhe faziam.
Hoje é dia de tomar a iniciativa de perdoar.

Reproduzido do site PRAZER DA PALAVRA, de Israel Belo de Azevedo, que pode ser ser acessado em www.prazerdapalavra.com.br.

Habilidades

Postado em

26/12/2016